Voltar

Dúvidas Freqüentes > Coluna Lombar - Nervo Ciático

 

Tenho uma pequena hérnia de disco na região lombar da coluna que causa dor constante. O que poderia fazer para aliviar a dor e voltar a realizar movimentos básicos como sentar, deitar e caminhar sem sofrimento?

As hérnias de disco, independente do tamanho, são tratadas conforme a disfunção que causam para o indivíduo. As hérnias representam a ruptura dos anéis do disco intervertebral que, uma vez rompido, não possui regeneração. Desta forma, o disco fica comprometido e repercute diretamente na fixação e estabilidade do segmento da coluna onde se encontra a lesão, comprometendo a coluna vertebral como um todo.

Assim, é freqüente que uma ruptura do disco lombar, além das dores lombares e dores irradiadas como as ciáticas, passam também a apresentar dores no tórax, pescoço, nuca ou outras regiões. Para se curar as hérnias que apresentem dor constante é necessário um tratamento com cirurgias estabilizadoras do disco (substituição do disco lesado). Com essas cirurgias, o paciente retorna à marcha num período de 24 a 48 horas pós-operatório e volta à prática dos exercícios em torno de 30 dias após o procedimento cirúrgico. Com a devida orientação na reeducação corporal, o paciente volta às atividades esportivas e trabalhos com maior capacidade de esforços.

 

Freqüentemente sinto dores no nervo ciático. O que ocasiona tal problema?

O nervo ciático é uma estrutura constituída da reunião de vários ramos nervosos provenientes da coluna vertebral lombar que, passando pela região glútea, vai se ramificando por todo o membro inferior (coxa, perna e pé). Através do nervo passa a condução de estímulos elétricos que comandam toda essa região. Qualquer motivo que cause alteração da passagem dos estímulos pelo trajeto desses ramos nervosos podem causar alterações de sensibilidade, principalmente a dor. Esse nervo leva o comando do cérebro até o membro inferior no que diz respeito à sensibilidade e movimento.

As causas de alteração das passagens de estímulos, e portanto de dores, são variadas. As dores mais intensas são causadas por tumores ou infecções na região da coluna ou trajeto do nervo. Nesses casos, costuma aparecer sinais de paresia (dificuldade de movimento). As ciáticas mais freqüentes são causadas por ruptura do disco em particular pelas hérnias de disco localizadas na região lombar, de onde emergem as raízes formadoras do nervo ciático.

 

Tenho dor ciática e os exames nada revelam. Por que isso acontece?

A dor ciática corresponde a manifestação de um processo inflamatório localizado na coluna vertebral, atingindo as raízes nervosas lombares cuja maior freqüência é devido à ruptura do disco lombar. Ainda pode ser ocasionada por uma compressão ao longo do tronco ciático. As rupturas discais da coluna lombar são evidenciadas somente pela ressonância magnética, através de sinais que revelam a desidratação do disco intervertebral (doença que acomete cerca de 80% da população urbana).

As rupturas do disco intervertebral podem, em casos excepcionais, ser diagnosticadas através da discografia que representa o raio x do disco após ser injetado líquidos de contraste no seu interior (método invasivo).

No entanto, algumas ciáticas são provocadas pela compressão do nervo ciático através do seu trajeto. É o caso da síndrome do piriforme que se manifesta por uma compressão do nervo ciático no fundo da nádega pelo músculo do mesmo nome. Neste caso, a evidência da patologia é feita somente através do exame clínico, não revelando em nenhum exame de laboratório. Pode se manifestar no jovem, por uma anomalia congênita do piriforme e nas pessoas de mais idade através da retração do mesmo músculo.

 

Tenho dor lombar e cansaço nas pernas que não melhoram com medicações. O que posso fazer?

A dor lombar é uma manifestação das doenças degenerativas desse segmento da coluna vertebral. Nas crises lombares, desenvolve-se processos inflamatórios nessa região, alterando a fisiologia (funcionamento) do comando nervoso emergente desse segmento para os membros inferiores (coxas, pernas e pés). As raízes lombares formam um plexo a exemplo de uma rede elétrica, que conduz os estímulos para as pernas e outras regiões dos membros inferiores para. Por esse motivo é com freqüência que a dor lombar está relacionada com o cansaço nas pernas. Às vezes, os pacientes com doença na coluna lombar apresentam, apenas, esse tipo de manifestação clínica que pode ser confundida com dores nas pernas por doenças vasculares (varizes). As doenças vasculares acompanham edema (inchaço) nos membros inferiores ou se manifestam em caminhadas, momento em que é exigida maior perfusão sangüínea nos membros inferiores. Nos casos das doenças na coluna vertebral, as dores nas pernas se manifestam quando as pessoas estão sentadas ou muito tempo em pé, como por exemplo permanecer numa fila. As doenças degenerativas da coluna lombar se relacionam diretamente com o mau fortalecimento da estrutura abdominal e com a flexibilidade da musculatura ísquio sural (músculo posterior da coxa) que são responsáveis pelo aumento de pressão nesse segmento da coluna. Para a prevenção desse problema, é de grande importância que se realize tonificação dos abdominais e alongamento dos ísquios surais.

 

Tenho dor lombar e cansaço nas pernas que não melhoram com medicações. O que posso fazer?

A dor lombar é uma manifestação das doenças degenerativas desse segmento da coluna vertebral. Nas crises lombares, desenvolve-se processos inflamatórios nessa região, alterando a fisiologia (funcionamento) do comando nervoso emergente desse segmento para os membros inferiores (coxas, pernas e pés). As raízes lombares formam um plexo a exemplo de uma rede elétrica, que conduz os estímulos para as pernas e outras regiões dos membros inferiores para. Por esse motivo é com freqüência que a dor lombar está relacionada com o cansaço nas pernas. Às vezes, os pacientes com doença na coluna lombar apresentam, apenas, esse tipo de manifestação clínica que pode ser confundida com dores nas pernas por doenças vasculares (varizes). As doenças vasculares acompanham edema (inchaço) nos membros inferiores ou se manifestam em caminhadas, momento em que é exigida maior perfusão sangüínea nos membros inferiores. Nos casos das doenças na coluna vertebral, as dores nas pernas se manifestam quando as pessoas estão sentadas ou muito tempo em pé, como por exemplo permanecer numa fila. As doenças degenerativas da coluna lombar se relacionam diretamente com o mau fortalecimento da estrutura abdominal e com a flexibilidade da musculatura ísquio sural (músculo posterior da coxa) que são responsáveis pelo aumento de pressão nesse segmento da coluna. Para a prevenção desse problema, é de grande importância que se realize tonificação dos abdominais e alongamento dos ísquios surais.

 

Tenho dor lombar e o resultado dos exames acusou espondilolistese. O que é esta doença e qual seu tratamento?

A espondilolistese é uma doença que incide mais freqüentemente na coluna lombar, principalmente na quinta e quarta vértebras. Trata-se de uma falha óssea no pedículo (porção lateral do canal vertebral) semelhante a uma fratura, podendo ser aguda ou crônica, traumática (adquirida) ou congênita. Esta falha causa instabilidade na coluna vertebral com possíveis deslocamentos das vértebras. Por este motivo, a doença é causadora de dor nas costas, contraturas e dificuldades de movimentos da região lombar, além de irradiar dores nos membros inferiores, principalmente nas coxas.

A fratura do pedículo vertebral conduz a uma instabilidade e desequilíbrio nesta porção da coluna, podendo a lesão evoluir para o escorregamento de uma vértebra sobre a outra, o que é denominado de espondilolistese. No caso de escorregamento e sofrimento das raízes regionais, pode acontecer a síndrome da cauda eqüina que se manifesta por paresias ou paralisias nos membros inferiores.

O tratamento é basicamente cirúrgico que, quando bem indicado e realizado, permite ao paciente o retorno às boas condições de marcha já nos primeiros dias de pós-operatório. Dessa maneira, pode-se alcançar a completa reabilitação do paciente, inclusive para exercícios e atividades de esforços físicos.

 

Tomei muitos remédios devido às fortes dores lombares que sinto. O raio X não demonstra nenhuma lesão. Disseram que tenho que me acostumar com a dor. O que posso fazer?

A dor lombar, também denominada lombalgia, freqüentemente pode ser causada por rupturas internas no disco intervertebral ou pelo estreitamento congênito do canal raquidiano, onde se encontram as raízes nervosas condutoras de estímulo para sensibilidade e movimentos. Nestas duas doenças, de forma conjunta ou isolada, a radiologia simples tem extrema dificuldade em revelar a lesão.

As medicações analgésicas e antiinflamatórias, muitas vezes tornam-se paliativas quando os processos inflamatórios não respondem a essas medicações, pois não conseguem alcançar a causa do problema. Desta maneira, é importante uma avaliação minuciosa pelo médico para ouvir a completa história da doença e executar um exame clínico detalhado.

Como esses quadros clínicos costumam se manifestar em período de grande tensão emocional, aumentam as contraturas musculares, causando maior sofrimento aos pacientes. Com uma avaliação clínica elaborada e exames como a ressonância magnética, as queixas apresentadas poderão ser diagnosticadas e o tratamento orientado.

 

Tenho 60 anos e há duas semanas comecei a sentir fortes dores na panturrilha direita após longas caminhadas. Agora as dores se estendem do quadril à perna. O que pode ser este sintoma?

Nos pacientes da terceira idade as dores nos membros inferiores na maioria das vezes estão relacionadas com as dores na coluna lombar. Isto acontece porque as degenerações deste segmento da coluna causam estreitamento do canal lombar com sofrimento das raízes nervosas nele contidas. As dores, com o passar do tempo, vão se tornando mais freqüentes. Podem alcançar um estágio em que sejam constantes, quando o canal alcançar um estreitamento abaixo de 10 mm. Isto pode ser comprovado através do exame clínico do paciente e confirmado com a tomografia computadorizada e a ressonância magnética.

Nos pacientes da terceira idade, principalmente aqueles com hábitos sedentários e fumantes, as dores nos membros inferiores podem estar relacionadas com as obstruções arteriais (arteroesclerose). Nesses casos, um sinal típico que pode ser constatado pelo próprio paciente é que no momento da dor durante a caminhada, a mesma alivia quase que completamente ao sentar.

A história e o exame clínico do paciente podem diferenciar o diagnóstico. O tratamento depende do mesmo e poderia ser indicada a desobstrução das artérias, nos casos das lesões arteriais, ou desobstrução do canal vertebral, nos casos de lesões na coluna lombar. Ambas as medidas têm alcançado excelente resultado na recuperação dos pacientes.

 

Meu filho de sete anos sente dores nas pernas e cai com alguma freqüência ao correr e caminhar. Por que isto acontece?

As dores nas pernas em crianças freqüentemente estão relacionadas ao aumento das pressões nos segmentos lombar e também no cervical quando acompanhadas de dores na cabeça, na nuca e na região frontal. Estes sintomas aparecem geralmente naquelas crianças que dormem na posição fetal e não praticam esportes. Nestes casos, pode haver perda de elasticidade em alguns grupos musculares como por exemplo os ísquios-surais, que localizam-se na posição posterior das pernas e que aumentam as trações sobre a região pélvica, acarretando maiores esforços no segmento lombar e cervical.

O surgimento dessas dores coincide com o período de crescimento rápido da criança. Sempre estão relacionadas com aquelas que não realizam exercícios físicos periódicos e que ficam muito tempo sentadas. Os video-games, computadores e televisão têm agravado a situação. Se não houver o cuidado em tempo hábil, as lesões podem evoluir para rupturas definitivas de elementos da coluna vertebral.

Através de exercícios orientados e de analgesias do ponto de dor, a recuperação pode ser completa. Assim, o desenvolvimento se realiza de forma sadia e a criança ficará livre das dores nas pernas e na cabeça. Na nossa experiência, assistimos crianças que passam por complexas investigações que poderiam ser evitadas com uma avaliação competente da coluna vertebral.


 

 

Voltar