Voltar

Dúvidas Freqüentes > Membros Inferiores > Cintura Pélvica

 

Meu filho de 9 anos tem uma perna mais curta que a outra. Qual o tratamento adequado para este problema?

O desnível pélvico ocasionado pela dismetria dos membros inferiores pode acontecer em muitas crianças, inclusive ser agravado durante o crescimento. Essas diferenças de comprimento nos membros inferiores acarretam distúrbios de pressão nas articulações e na coluna vertebral. Nos casos mais graves, poderá ser desenvolvida uma degeneração precoce dessas articulações. Quando a diferença de comprimento é menor que 15 milímetros, pode se observar a evolução e estimular a prática de exercícios , buscando o equilíbrio perfeito na sustentação das estruturas músculo-esqueléticas. Se a diferença for acima de 15 milímetros, deve-se investigar qual dos ossos do membro inferior é responsável pela dismetria. Após, o mesmo pode ser corrigido com bloqueios temporários no crescimento do membro oposto. Esta técnica cirúrgica é de mínima agressão para o paciente e permite que o mesmo retorne às atividades com brevidade. Nos casos de diferenças acima de 30 milímetro é possível recorrer às técnicas de alongamentos ósseos, o que consegue equilibrar o desnível existente.

Dentro desse quadro, é importante que a criança se desenvolva corretamente com um bom trofismo muscular de tronco e membros, que será alcançado naquelas que executam bom treinamento físico e práticas desportivas sistemáticas.

 

Tenho 24 anos e quebrei a bacia em uma queda. Posso ter parto normal ou necessito fazer cesariana?

As fraturas da pelve, conforme sua localização e força de impacto, podem variar conforme a gravidade e prognóstico para o futuro de seu portador. As fraturas articulares que atingem o quadril ou as articulações sacro-ilíacas são as de maior gravidade, pois geram degeneração precoce das articulações atingidas com repercussões dolorosas e dificuldade na marcha. Este tipo de fratura requer indicação cirúrgica para a completa restauração da lesão. A completa restauração ( montagem perfeita dos fragmentos fraturários) constitui o caminho para evitar as seqüelas e deficiências decorrentes do acidente. Já as fraturas extra-articulares geralmente são de menor gravidade, podendo, na maioria das vezes, serem recuperadas sem cirurgia.

As fraturas da sínfese púbica, que se encontra localizada na porção anterior do baixo ventre, podem calcificar a cartilagem dessa articulação na sua evolução espontânea de cura. Quando essas calcificações acontecem, podem ocasionar dificuldade no parto por não haver dilatação do canal na hora da expulsão do feto. No entanto, em todos os casos de fraturas da pelve que tiverem um tratamento imediato desde o acidente, poderão alcançar como resultado a normalidade fisiológica da cavidade pélvica, sem repercussão para a reprodução da mulher.

 

Sinto dores no quadril e no joelho que aumentam quando caminho. Devo fazer algum tipo de exercício físico para aliviá-las?

As dores no quadril freqüentemente são causadas por distúrbios de ordem degenerativa localizada na coluna lombar. No entanto, no seu questionamento, há uma relação em que a dor surge por ocasião da marcha. Nesses casos, pode-se suspeitar que o aumento de pressões no quadril que ocorre na marcha, estão a anunciar a patologia que está atingindo diretamente esta articulação.

Com o sedentarismo dos dias de hoje, as pessoas acima dos 45 anos revelam sinais de degeneração da articulação do quadril (coxartrose) principalmente os obesos e pessoas rígidas, que tem os movimentos articulares limitados.

As dores das doenças do quadril costumam se manifestar no joelho, pois a enervação óssea dessa articulação coincide com a enervação superficial (dermatomas) ao nível do joelho. Outro sinal freqüente das doenças do quadril é a redução no movimento de abertura das coxas. Quanto mais avançada a doença, mais restritos ficam os movimentos da articulação.

O tratamento somente pode ser orientado após a avaliação médica. De maneira geral, os exercícios, em períodos de acalmia da dor, são benéficos e construtivos.

 

Há oito meses sinto dores na região pélvica e vontade de urinar com freqüência. Realizei uma ressonância magnética lombo-sacra e foi constatada uma protusão discal. A vontade de urinar tem relação com a coluna vertebral?

As dores pélvicas do baixo ventre, acompanhadas de polaciúria (aumento da freqüência urinária) na maioria das vezes referem-se a infecção urinária que pode ser evidenciada nas uruculturas. No entanto, algumas hérnias localizadas na coluna lombar, conforme os processos inflamatórios que acometem os nervos deste segmento, podem gerar dores pélvicas, principalmente nos casos de abdomens flácidos que tenham perdido a função de sustentação vertebral.

No exame clínico do paciente, é possível fazer o diagnóstico através da palpação da coluna vertebral. Existem sinais específicos que evidenciam a lesão. Além disso, a dor pode ser controlada através de técnicas de anestésicos, o que fortalece a tese da relação entre a coluna lombar e as dores pélvicas.

O tratamento é adequado a cada paciente. Nos casos leves e moderados, pode-se conseguir a remição do sofrimento através do método conservador. A cura da lesão na coluna é alcançada através de cirurgias com curto espaço de tempo na recuperação do paciente.


 

Voltar